segunda-feira, 19 de março de 2012

Terra: Gnomos, Duendes.


                                           
                                    Elementais da Terra

                            Terra: Gnomos, Duendes.

São responsáveis pela solidificação dos corpos , não só de animais como de objetos. Tudo que é sólido possui uma correspondência energética com os Gnomos. 

Apesar das plantas possuírem ligação com todos os elementais , são normalmente consagradas ao elemento TERRA , em razão da sua proximidade.

 Os Gnomos que servem no plano físico, bem atrás do véu ou espectro da visão comum, sendo possível vê-los de relance, e pensar que tem certeza de ter visto algo. 

Os Gnomos governam e preservam o corpo da terra ou físico, mantêm o equilíbrio das forças naturais do planeta e veem que todas as necessidades diárias de todos os seres vivos sejam atendidas.

 O elemento da TERRA é vital para a produção de alimentos, afim de que a humanidade possa formar corpos perfeitos, os quais são suas manifestações neste planeta, para as atividades espirituais e cósmicas. 

Vemos a ação benéfica da terra nas lindas paisagens, na vida dos pássaros, nas flores, nos belos minerais e naturalmente na produção dos vegetais.

 Sua ação destruidora é demonstrada nos desmoronamentos, vulcões em atividade e terremotos.

Os domicílios dos elementais da terra são as matas fechadas, rochas e também as margens das lagoas.

 Como os seus corpos são feitos de substância etérea fina, eles conseguem atravessar os corpos sólidos, como nós atravessamos o ar.


Geralmente possuem suas moradias dentro da terra, próximas à superfície. Vivem em casas e têm a faculdade de atravessar portas e janelas fechadas.

 Acompanham a vida familiar com muito interesse, mas para os humanos são invisíveis. Cuidam das flores e plantas, árvores e arbustos com muito amor e alegram-se vendo cada flor que desabrocha.

 Os gnomos são atraídos pelas pessoas amáveis e dóceis. Brigas, desordem e falta de harmonia são para eles um suplício. Sua aparência assemelha-se muito à dos humanos. 

Eles adoram, como todos os seres da natureza, imitar os humanos e espelham tudo o que vêem – seja bom ou não.

A estação que corresponde à atuação mais presente dos Gnomos é o Outono, e nos nossos sentidos eles regem o tato. Quando alcançamos a vibração da terra, ficamos em um estado de Paz e devoção.

Se quisermos entrar em contato com os Elementais da Terra, é somente entrarmos em contato com a Natureza. Uma ótima forma de nos conectarmos com eles também é lidando com cristais e ervas. 

Embora alguns cristais sejam de elementos específicos, mas é sempre pedra bruta, portanto não deixa de ser do Elemento Terra.


  DIFERENÇA ENTRE GNOMOS E DUENDES

Você sabe qual é a diferença entre gnomos e duendes? Quase ninguém sabe. Mas é fácil descobrir a resposta.

GNOMOS são de carne e osso como nós. Têm corpos sólidos e arredondados, rostos corados e sorriso encantador. Parecem homens e mulheres pequeninos. Zelam pela harmonia da natureza. São os eternos guardiões-do universo.

DUENDES são elementais; criaturas sem corpo físico, espectros de luz. 


Podem assumir diversas formas e, para isso, absorvem um pouco da energia dos seres humanos, juntando essa energia roubada à força dos quatro elementos da natureza: o fogo, a terra, a água e o ar. É por isso que dizemos "elementais".

Os elementais têm orelhas pontudas, olhos vermelhos, a pele quase transparente. Parecem uma mistura de planta, bicho e gente. 


Adoram brincar, criar confusão e fazer muita folia. São eternas crianças.

Encontros com gnomos são raros e inesquecíveis. Ainda há muito segredo em torno deles.


 Já os elementais fazem parte da vida de qualquer um. Contam-se histórias sobre eles no mundo todo. Assim, vamos começar falando dos elementais.

ATENTE-SE:
Guardiões da Torre Norte;
Cores: Negro, marrom,verde;
Pedras: Cristal de rocha, verdes como a esmeralda e o peridoto, ônix, jaspe, azurita, ametista, turmalina, quartzo rutilado... ;
Flores e ervas: Confrei, hera, grãos, arroz, trigo, patchouly, vetivert, líques, musgo, nozes, plantas secas ou grandes e frondosas, carvalho, raízes;
Animais: Vaca, touro, búfalo, veado, cervo, antílope, cavalo, formiga, esquilo, texugo, urso, lobo.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Sobre as Dríades



A palavra "dríade" vêm do latim drya-driadis, ninfa do bosque para
 os romanos, que provêm por sua vez da palavra grega "drys", que significa árvore em grego. As Dríades seriam então, as ninfas das florestas e das árvores.

Elas são os espíritos femininos da natureza, tão conhecidas na Grécia e áreas circunvizinhas, mas acredita-se que elas habitam todo o mundo.

Dependendo da árvore em que habitam as dríade recebem distintos nomes. As que vivem nos 
freixos são conhecidas como melíades. e as que vivem nos carvalhos se conhece como dríopes. 

Sobre as melíades se conta muitas histórias. Há quem diga que os druidas faziam suas varinhas mágicas com ramos de freixo, dada a magia de seu tronco.

A árvore e a ninfa que habita nele se associam aos poderes curativos e protetores.

 O freixo contribui com seu poder para que as crianças sejam sadias e por isso se faziam berços da madeira do freixo. 

Na Grécia dizia-se que as melíades cuidavam das crianças abandonadas,
fazendo que todos os freixos unissem seus galhos formando uma espécie de berço com seus braços, no qual os pequenos dormiam refugiados.

Na Inglaterra se usava como proteção contra os maus espíritos.


 As melíades possuem um enorme amor pela árvore onde reside, por isso ela se vingará de todo aquele que se atrever a queima qualquer galho de sua árvore, usando então a lei "olho por olho".

 Queimar um freixo onde habita uma melíade significa estar exposto a que ela queime tua casa.

Parentes próximos das Dríades são: as Napaeae, Auloníades, Hylaeorae e Alsaeides, viviam nos bosques, ravinas, arvoredos e vales, enquanto as Oreades pertenciam às montanhas e grutas.

As Hammadríades protegiam e cuidavam de árvores individuais específicas. Parentes próximos das Dríades eram também: as Náiades dos bosques, as Crenae e Pegae dos regatos, a as Limnades
das águas paradas.

Por vezes essas ninfas viviam dentro das águas, por vezes em grutas.


Dizia-se que elas tinham o dom da profecia e dos oráculos, curavam os enfermos, cuidavam das flores e protegiam os campos e os animais. 

A relação e os poderes de todas as ninfas eram tão similares que suas tarefas e áreas de influência eram constantemente confundidas.

 Dríades das florestas e árvores, por vezes cuidavam de lagos e riachos próximos.

Ninfas das águas protegiam os bosques circunvizinhos.


As Dríades se apresentavam com o corpo de árvore, cabelos de folhas verdes e seios volumosos. 

Seus olhos eram dourados e suas vozes eram muito harmoniosas, como o rufar das folhas das árvores.

Adoravam a música e a dança. Devido serem jovens e bonitas, eram constantemente cortejadas por Apolo.

Algumas delas, acompanhavam Ártemis em suas caçadas.

Determinadas árvores eram habitadas pelas Hammadríades que não podiam sair de dentro delas.
Eram humanas só da cintura para cima, pois da cintura para baixo, seu corpo fundia-se com o da árvore, fazendo parte de suas raízes.

Elas permaneciam acorrentadas às árvores e morriam quando elas morriam. 

Tais árvores cresciam sempre em lugares remotos, onde
raramente um homem pudesse encontrá-las.

Elas falam várias línguas e sua grande inteligência permite se comunicar com quase todos os seres dos bosques.


 Para que possamos ver uma delas, devemos prestar a maior atenção na natureza e nos fixarmos em cada detalhe. 

Se escutarmos um leve murmúrio que parece uma melodiosa voz, provavelmente próxima de nós se encontra uma Dríade.

                          ENTRE OS CELTAS

Dríades eram conhecidas em todas as regiões celtas. Os celtas acreditavam que fossem espíritos que habitavam as árvores, em especial os carvalhos.
Os druidas as contatavam para obter inspiração.
Bolotas de carvalho eram conhecidas como "Ovos de Serpente" e utilizadas em encantamentos.

A vida de algumas destas pequenas ninfas, como já falamos, estava sempre ligada à árvore onde haviam nascido, a qual cuidam durante toda a sua  vida e morriam se ela morresse.

A maioria dos humanos pensa equivocadamente que nada acontece ao se talhar um árvore, arrancar-lhe folhas,queimá-la ou cortá-la.


Mas se cortarmos uma árvore em que habita uma Hammadríade, agora sabemos que estamos matando-a.

Contam os druidas,que quando um carvalho era cortado, soltava gritos e gemidos de dor que podiam ser ouvidos a mais de um quilômetro de distância.

Observações semelhantes já foram registradas em outras partes do mundo


          ENTRE OS GREGOS 

Os deuses da mitologia grega protegiam estes seres pequenos, para que nada se atrevesse a matá-las, castigando fortemente todo aquele que destruísse as árvores. Deste modo, aprenderam os gregos a respeitar a natureza.

Os gregos e os romanos tomavam muito cuidado para não contrariar as ninfas. Grutas, riachos e toda a área florestada eram tratados com respeito,pois nunca se sabia se a ninfa daquela área se ofenderia.

 As ninfas eram as companheiras de Fauno e Pã, os quais eram capazes de instigar o pânico e o horror sobrenaturais em qualquer agressor. Nossa palavra "pânico" vem da habilidade de Pã em incitar o pânico.

Na história religiosa o culto das árvores teve um papel importante.


 Nada podia ser mais natural, pois, no alvorecer da história, a Europa estava coberta de imensas florestas primevas, onde as clareiras esparsas devem ter parecido pequenas ilhas em um oceano verde.

As Dríades seriam reminiscências da era matrilinear, cuja divindade primordial era a Terra-Mãe, enquanto a mulher seria a figura religiosa central.

 Nesse caso, as ninfas, divindades secundárias, poderiam ser consideradas uma extensão da própria energia telúrica, a saber, divindades menores que representam Gáia, a grande Mãe Terra em sua união com a água, elemento úmido e fecundante.

Tudo leva a crer que sim, pois, da união desses dois elementos, terra e água, surge a força 
geradora que preside à reprodução e à fecundidade da natureza tanto animal quanto vegetal. 


Desse modo, as ninfas são a própria Gaia em suas múltiplas facetas, enquanto matriz de todos os seres e coisas, enquanto grande Deusa, cujas energias nunca se esgotam. 

Por tudo isso só podiam ser divindades femininas da eterna juventude.


                 PARA CAPTURAR UMA DRÍADE

Plante uma pequena árvore sem seu jardim em um lugar secreto e especial. Quando ela se fixar no solo e começar a crescer, a dríade nasce. Conheça a personalidade e o aspecto de dríade visitando a árvore regularmente.

Abraçar a uma árvore é o mesmo que abraçar a uma dríade, e a energia e a paz que você poderá obter através desse ato tão simples vale a pena por maior que seja a insegurança que possa você sentir inicialmente.

Quando a árvore entrar em decadência e morrer,a dríade passará ao Outro Mundo, enquanto que 
os restos da madeira voltarão ao bem-estar e a paz da terra. 

Ame a sua dríade e sua dríade amará você!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Elementais da Natureza ( Ar )


                     Elementais do Ar

     Silfos , hamadríades ,fadas               
Elementais do ar são os que reinam pelo ar e ventos. São os silfos (silfídes), fadas e hamadríades. 

Eles são os mais elevados de todos os elementais, já que seu elemento nativo é o de mais alta taxa vibratória.

Vivem centenas de anos, freqüentemente atingem um milênio de idade e nunca parecem envelhecer.

A líder dos silfos é chamado Paralda e afirma-se que vive na mais alta montanha da Terra. 

Alguns acreditam que os Silfos se reúnem em torno da mente de um sonhador, dos artistas, dos poetas,e os inspiram com seu conhecimento íntimo das maravilhas e obras da natureza.

Seu temperamento é alegre, mutável e excêntrico.


A eles atribuem a tarefa de modelar os flocos de neves e arrebanhar as nuvens, tarefa esta de desempenham com a ajuda das Ondinas, que lhes fornecem a umidade.

Os elementais do ar são muito inteligentes, espertos. 

Responsáveis pela inspiração, gostam de trazer histórias novas à imaginação dos humanos, e por vezes também, alguma idéias.


Porém, alguns autores especializados no assunto, defendem a idéia de que essas tarefas e essa inteligência dos elementais do ar depende de seu tamanho.


Quanto menor uma fada/ silfo for, menos seu grau evolutivo (isso serve para todos os elementais, na opinião dos pesquisadores). 

Por exemplo, uma Fada que rodeia flores, com cerca de um centímetro e meio, parecem realizar seu trabalho com boa vontade e alegria, mas sem consciência individual.



Esta sempre obedecendo a um ser superior. Outras fadas, no entanto, assim como os silfos eram maiores e possuíam uma consciência individual.

Os silfos são, dentre os elementais, os que mais se aproximam da concepção que geralmente fazemos dos anjos e fadas, e freqüentemente trabalham lado a lado com esses mesmos anjos.


Eles correspondem à força criadora do ar. A mais suave das brisas, assim como o mais violento dos furacões são resultado de seu trabalho.

Fadas e Silfos apreciam flores, perfumes e música.

São famosos os círculos de fadas, pequenos círculos que surgem em pedras ou vegetação. 


São lugares mágicos onde as Fadas vem dançando por toda a noite durante várias décadas.

O termo provém de Paracelso, que os descreve como elementais que reinam no ar, senhores dos ventos. Podem ter o aspecto de fadas, assemelhando-se às vezes a anjos.

Têm uma capacidade intelectual sensível, chegando a favorecer o homem na sua imaginação. São reconhecidamente belos, assumindo vários tons de violeta e de rosa.

As lendas contam que são os silfos que modelam as nuvens com as suas brincadeiras, para embelezar o dia-a-dia do homem na Terra, dando a elas as formas mais engraçadas.

 Talvez por esta razão, são capazes de fazer chover e provocar tempestades e até furacões, quando se aborrecem.

Os Silfos podem ser nocivos, pois se um individuo humano souber demais sobre a natureza e usá-la para o mal, podem ser punidos por eles.

Mas também também trazem os bons ventos e sabem ser amáveis. Dizem que os Silfos orientam os pássaros viajantes sobre o rumo que devem tomar.

Têm visão, audição, olfato e outros sentidos muito apurados.

Possuem templos e lugares sagrados e suas moradas são no topo das montanhas. 

Assim, podem ver o sol, a lua e as estrelas como elas realmente são. 

Gostam de músicas instrumentais e flauta, de aromas de incenso e de lugares com crianças.

Segundo os antigos, o trabalho dos silfos, além de reunir as nuvens, é modelar os cristais de gelo e formar os flocos de neve.

 Os ventos são considerados pelos antigos como os próprios Espíritos do Ar em ação.

São os Elementais mais elevados porque seu elemento nativo é o que possui a mais elevada freqüência de vibração.

O rei dos silfos chama-se Paralda. As fêmeas dos Silfos são denominadas Sílfides [sylphids].